-->

Redes sem fio no Mundo em Desenvolvimento

Prefácio da tradução para o português

O caminho que levou-me à tradução deste livro para o português foi longo. Começou com o Timothy Ney, da Linux GreenHouse, que apresentou-me ao Marco Figueiredo, da ONG Gemas da Terra e que, por fim, sugeriu ao Rob Flickenger, da Hackerfriendly, que a Brod Tecnologia assumisse a tradução.

Sou um daqueles vários que, em meados dos anos 90, aventuraram-se a implantar provedores de acesso à Internet usando uma infra-estrutura que envolvia softwares de código-aberto. Esse livro trouxe lembranças de muitas madrugadas intensas, passando cabos Ethernet (coaxiais ou 10BaseT) de um lado a outro e editando arquivos de configuração do servidor de email. Quisera eu ter um livro destes naquela época, onde a pouca e esparsa literatura só existia em inglês.

Justamente pela linguagem da tecnologia ser o inglês, e por termos lido o material disponível nessa língua quando criávamos a "nossa" Internet, acabamos por tomar palavras de uma ou outra língua e hoje nos são comuns termos que podem doer nos ouvidos dos mais puristas. Linkamos as coisas, deletamos arquivos, clicamos em links e, quando vemos alguém navegando na Internet em seu computador, perguntamos: "tu tens wireless?"

Usamos a palavra wireless com a mesma naturalidade que usamos "sem fio", browser ao invés de navegador e, ao mesmo tempo, usamos roteador ao invés de router e sequer traduzimos os termos mouse ou switch - ou alguém chama um switch de chaveador?

Claro, em outros países de língua portuguesa, que não o Brasil, estas questões podem ser ligeiramente diferentes, mas a gente se entende.

Por causa desta idiossincrasia idiomática lutei muito, durante o processo de tradução, para ficar no limite entre manter-me o mais literal possível próximo do fantástico texto original e, ao mesmo tempo, torná-lo agradável ao leitor de língua portuguesa. Procurei, de maneira básica, conceituar (de forma adicional ao texto original) textos que no dia-a-dia usamos em inglês - como o próprio termo wireless. De forma similar, mesmo quando usamos um termo em português (por exemplo, provedor de acesso ao invés de ISP), mantive a referência ao termo em inglês, buscando sempre auxiliar o leitor em sua posterior busca por mais informação.

Agradeço muito à minha sócia Joice Käfer, que fez a revisão técnica desta tradução e, além disso, contribuiu com críticas que multiplicaram o seu próprio trabalho. Ela criticava, eu reescrevia, ela tinha que revisar de novo, e assim sucessivamente. Agradeço também a paciência da Lara Sobel, editora deste livro, que profetizou: "um dia, no futuro, escritores, desenhistas, revisores e editores serão capazes de colaborar conjuntamente nos mesmos documentos, em um espaço web livre e aberto!". Mais agradecimentos ao Rob Flickenger, Marco Figueiredo, Timothy Ney, a todos os autores deste livro, com quem aprendi muito, e à minha família, que não cheguei a ver muito durante os meses em que executei este trabalho.

Boa leitura!

Cesar Brod



Design: Dobro Comunicação. Desenvolvimento: Brod Tecnologia. Powered by Drupal